Adeus, Helô

Gente, um amigo me pediram pra postar uma carta homenagem à Heloisa que ele escreveu

Então vou abrir espaço aqui no blog pra última despedida da Helô Faissol.

Carta do @vascaindio

Nos últimos meses vivi o que acredito ter sido a pior fase da minha vida.

Tive algumas crises de pânico, algo que não compartilhei com nenhum amigo do twitter, quase entrei em depressão e até hoje ainda sinto, vez ou outra, a angústia, o medo e a sensação de desespero querendo voltar.

Durante esse período uma coisa que tanto questionei foi a vida, passei a achar tudo sem sentido.

Oras, pra que estudamos, trabalhamos, casamos, temos filhos, fazemos planos, se um dia vamos morrer? Se tudo o que construímos vai ficar? Pra que planejar as férias, planejar uma casa nova, uma festa de aniversário, se de uma hora pra outra tudo isso pode virar pó?

Minha família e meus amigos me deram todo o apoio necessário pra superar essa fase ruim, não sei o que seria de mim se não fossem eles me ajudando e me dando a mão pra superar toda aquela negatividade e hoje, posso dizer que sobrevivi.

Resolvi abrir essa história que, repito, ninguém que conheço na internet sabia até agora, pra falar de uma louca que marcou uma das melhores épocas que vivi desde que fiz o twitter e que colocou tanta gente boa no meu caminho.

Quem tem a paciência de me ler todo santo dia sabe o que eu penso de pessoas metidas a sinceras, que falam o que pensam e batem no peito pra dizer que tem personalidade forte.

E foi assim que me apresentaram uma tal de Heloisa Faissol quando começaram a divulgar os possíveis participantes da Fazenda 7.

er7_re_fa_heloisa_570kbps_2014-09-14c5732f55-b55f-41a5-aa13-956a06d90148-thumb

Lembro da saudosa Jamile comentando sua participação no Programa do Jô, dizendo que iríamos amar essa louca e eu “mds, lá vem outra insuportável”.

E lá fui eu, atolado de provas na faculdade, assistir a Fazenda e ter vontade de esganar o Carelli mais uma vez.

Aí começam as apresentações clichês, aquele monte de desconhecidos saindo do carro ao som de música de suspense como se ninguém já tivesse visto as zilhões de listas divulgando todos os participantes, até que surge uma moça que nunca vi na vida, usando uma roupa (acho que) rosa, se dizendo funkeira e socialite (?).

Alguns minutos de edição depois, lembro dessa louca pedindo perdão a Deus por odiar sapos e conseguindo bugar meu cérebro pela segunda vez em questão de instantes. Os dias foram passando e eu passei a enxergar aquela maluca com outros olhos. Lembro dela meditando, cozinhando, alimentando os animais, começando uma amizade com Babi e DH e quando percebi, tinha criado um afeto por aquela pessoa.

Só eu sei o quanto comemorei quando cancelaram a primeira roça em que ela provavelmente seria eliminada.

As semanas foram passando e meu afeto por aquela que eu jurava que iria odiar só aumentava. Eu só pensava em estar lá pra conversamos sobre os mais variados assuntos, desde a admiração por Chico Buarque mesmo sendo dois coxinhas natos, o desfile da Mangueira de 1998, receitas de comidas (na época eu estava aprendendo a cozinhar) e até o funk do Cocoricó que juro, passei a ouvir praticamente todos os dias, pra vocês terem a noção do efeito Heloísa Faissol.

O que eu mais amava na Helô não eram os barracos, suas caras e bocas, nem sua inteligência pra jogar mesmo sendo 100% coração. Acredito que o que me encantou nela foi a incapacidade de se calar diante de uma injustiça.

Eu sou assim, odeio injustiça mais que tudo, mas queria ter a coragem de gritar pro mundo qualquer absurdo que vejo. A Helô era assim. Abria o peito, dava a cara à tapa, se estrepava, brigava com tudo e com todos, mas não deixava de defender aquilo que era justo.

Aquela cara de decepção ao ser anunciada em 3o lugar era a prova disso. Pior do que perder os 2 milhões, aquela cara era de quem sabia que estavam cometendo uma injustiça. Como eu queria ter esse peito de ferro, disposto a levar chumbo só pra defender o que achava certo. E ainda assim, ela tinha uma qualidade maior do que odiar injustiça.

A maior qualidade da Heloísa era o amor.

Como tinha amor. Fosse brigando, fosse rindo, aquela mulher exalava amor.

Nunca vou me esquecer da cena em que o búfalo violento se aproxima dela chorando e acalenta, como se fosse uma mãe dando colo a um bebê. Os abraços que ela dava na Babi eram com amor.

A bravura com que ela defendeu Pepê e Nemem foi com amor. Amor. Aquela perua metida a funkeira exalava esse sentimento. A Fazenda acabou, acabei mergulhando na faculdade e houve um normal distanciamento.

Helô seguiu com a vida dela, mas sempre que podia, trocávamos algumas palavras. Lembro de um dia que ela me bloqueou por engano no twitter e os amigos fizeram mutirão pedindo o desblock, que dia foi aquele.

Era perceptível que algo não estava bem, o jeito como ela falava, o tempo que ficava sozinha, o tempo que ficava sumida, mas assim seguíamos a vida.

Vez ou outra, eu e muitos amigos que fiz na época lembrávamos com carinho dos momentos que vivemos durante a Fazenda, as fotos Bahelô, da cumplicidade da duas que, apesar de tantas diferenças, formaram uma das mais bonitas amizades que já vi em um reality show.

Hoje, chegando da academia, leio que Heloísa se foi. Como assim, meu Deus????

Criei uma esperança que nunca costumo ter de que aquilo foi só um terrível engano e 1 hora depois me pego aqui, ainda suado da academia, lendo a confirmação de que realmente a Helô não está mais entre nós.

E aí me vem todos aqueles sentimentos que descrevi na primeira parte do texto. A angustia, a tristeza, o desespero.

Como assim meu Deus, a Heloísa? Que sentido faz alguém tão do bem morrer assim, tão tragicamente, tão rápido?

Em meio a tristeza, ao perplexo, eu só te peço, Helô, onde quer que você esteja, distribua muito amor entre nós.

Aquele amor que fez um búfalo violento acariciar uma pessoa como um gatinho indefeso, aquele amor com que você cozinhava, cantava, dançava, aquele amor que fazia um momento tenso virar engraçado.

Só tenho a agradecer pelas pessoas que através de você entraram na minha vida e te peço, mais uma vez, de onde você estiver, distribua amor.

Agora vou me levantar, tomar um banho e tentar dormir. Meu coração tá em pedaços em pensar que você se foi e eu só queria acordar e ler que tudo foi um terrível engano.

Amor Heloísa, amor. Eu te amo.

Anúncios

6 comentários em “Adeus, Helô

  1. Caiu um cisco no meu olho. 😢

    Eu adorei a participação da Helô na Fazenda e não acreditei quando li a notícia, até agora tento digerir.
    Ela ter ficado em 3° lugar é um dos motivos que desisti de assistir a Fazenda.

    Triste saber que uma pessoa que se mostrou tão sincera e amável se foi.

    Curtir

  2. Nunca segui, nem nunca conversei com Helo nas redes. Mas admirava demais e de vez em quando, quando quero fazer algumas pessoas rirem, cantarolo “Karatê”.

    Não entendi o porque desse destino, mas acho que nem adianta questionar. Uma pessoa tão amorosa não merecia se sentir tão só.

    Parabéns pelo texto, @vascaindio.

    Curtir

  3. Que texto lindo… A Helô era insuperável… Eu chorava e fica triste ao vê-la sendo massacrada na Fazenda 7… E aquele 3º lugar? E a amizade com DH? Nunca engoli aquilo como sendo verdadeiro da parte dele… Eu previa que a Helô fosse ficar muito abalada com aquela traição orquestrada pela Bruninha… Helô era uma diva incompreendida. Descanse em paz minha doce Helô…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s