Dancing Brasil #4

Olá, passageiros, estamos de volta com mais uma semana de muita dança!

biancabolero

Talvez não tanto quanto nas anteriores, porque tivemos três baixas num dia só:

  • Juliana Silveira, que não se recuperou das fraturas no pé e foi desclassificada da competição (estou lamentando muito #VoltaJu);
  • MC Gui, que apesar de ter se acidentado, a meu ver não tá levando a competição muito a sério (no entanto, ele pode voltar segunda que vem)
  • E o eliminado Tony Salles.

O programa não definiu nenhum tema nesta semana e os coreógrafos tiveram mais liberdade, já que era freestyle.

Eu sou o @paypervitu e junto com @luguicosta e @luizcmorais vou mostrar o que aconteceu no quarto programa do Dancing Brasil.

Tony e Bruna (Zouk)

tonyliminado

Vitu: Vi uma grande evolução no Tony, mas achei que faltou um pouco mais de zouk da parte dele, ainda que eles tenham seguido mais a linha do zouk carioca, que tem mais influência do balé e do contemporâneo.

Esse é um ritmo que evidencia muito a mulher, mas não impede que o homem também mostre a cadência que a dança pede. A coreografia foi muito bonita e até bem executada. O Tony pareceu muito solto em alguns momentos (o que não é bom, nesse caso), o alongamento não foi muito limpo e faltou fôlego nele nos passos finais. Me incomoda trabalhar um braço e o outro ficar solto demais.

Nota 7

Lugui: Nunca imaginei que teríamos uma apresentação decente do Tony na competição e, sim, tivemos. Ok que a parte boa não foi Tony, mas sua professora, só que se formos comparar com sua estreia, houve um grande avanço!

Eu achei essa dança mais Contemporâneo que Zouk, mas foi interessante. Tony não acertou na postura e estava bem duro e não se movimentou bem no palco e dependência gigante da professora, então Bruna chamou pra si a apresentação e fez uns aéreos pro público bater palma. Não vou dizer que foi ruim, também não foi tão bom assim

Nota 6

Luiz: Belíssima a dança, super bem executado, digna de um 10. Claro, isso se fosse só a Bruna dançando com esses lifts impecáveis.

Se você trocasse o Tony por um poste e ela fizesse tipo um pole dance ia dar na mesma. Duro, sem expressão, ainda se desequilibrou. Ele foi pro ensaio pra fazer levantamento de Bruna?

Nota 5

Jade e Teo (Salsa)

5d8d70be862e414dae9a60a9a53e20b9__er7_re_db_jade_teo_ok_2030kbps_2017_04_25_thumb_thumb

Vitu: Eu, particularmente, gosto muito de ver a Jade dançar e em alguns aspectos técnicos, ela já evoluiu muito como alongamento e finalização de passos. A sincronia com o partner é boa.

Entretanto, nessa Salsa faltou acabamento em vários passos. O espacate, por exemplo, foi errado e ficou feio na hora de ir ao chão, parece que ela foi jogada. Me deu a impressão de que faltou mais ensaio e ela tava muito concentrada no que fazer depois, esquecendo de sentir a música e deixar o corpo bailar, com isso, ficando robótica algumas vezes. Outra coisa que os jurados até pontuaram: a demora até começar a coreografia de padedê.

Nota 7

Lugui: Depois de mostrar que um corpo é um corpo nos ensaios, Jade veio pra salsa mais dura que a Trave das competições de ginástica artística e regrediu em relação a semana passada.

Gostei da dinâmica da apresentação, houve um bom entrosamento e acabamentos, mas Jade foi maia ginasta do que bailarina, sendo um pouco mecânica e parecendo contar cada passo antes de executar. Além disso, aquele teatro no início da apresentação é o que pode ser feito de pior! Além de ser chato, entrega que tão enchendo linguiça pra ter menos tempo pra possíveis erros técnicos. Mesmo assim, ela ainda é melhor uns 4 concorrentes ali.

Nota 7

Luiz: Não tô sabendo lidar com uma salsa, com essa música tendo uma infinidade de musicas nacionais que caberiam muito melhor ao estilo.

Achei a Jade meio dura, muito da postura de ginasta. Faltou a malemolência da dança, uma ginga, mesmo ela tendo requebrado o quadril um pouco. Os lifts não foram lá essas coisas, deu uma travada, caiu de mal jeito. São erros de execução pra deixar a dança melhor finalizada que podem fazer a diferença pra ela.

Nota 7

Sheila e Marcelo (Bolero)

9049056c908a4beca471264f6dd21c5e__er7_re_db_sheila_marcelo_2030kbps_2017_04_24_thumb_thumb

Vitu: Sheila já tem todos os detalhes e técnicas da dança, então, alongamento, fluidez, acabamento, finalização, gingado, ritmo, já não temos muito o que falar. Mas aí vem os extras: coreografia, continuidade e as surpresas.

Eu gostei do break aliado à Salsa e eles fizeram muito bem, mas fizeram uma coreografia muito simples pra nível Sheila. Ela pode fazer MUITO mais e ficou muito contida. Não tiveram erros, o que teve foi a sensação de uma dançarina (desta vez) mal aproveitada.

Nota 8

Lugui: Segurem esse tchan porque Sheila está brincando de dançar! Não via Sheila ser tão bom desde os tempos de Cumpadre Washington.

Adorei a dança e, mesmo com nota máxima na última dança, Sheila continua evoluindo e melhorando muito na finalização dos aéreos e qualidade dos acabamentos. Diferente dos jurados, gostei do conceito de inserção do hip hop, mas poderia ter sido melhor executado: no meio do bolero, de repente parava e mandava um break e voltava, parecendo 2 danças diferentes. A comunicação entre os passos desses 2 ritmos podia ter sido melhor elaborado.

Nota 9

Luiz: Não sei vocês, mas eu entendi o conceito da dança e achei bem criativo a forma que eles interagiam sem se tocar. Ainda mais na sincronia que estava.

Ali foram muitos ensaios pra lapidar os movimentos e ajustar os lifts. O hip hop foi um pouco demais, uma quebrada não cabia ali e nem a música ajudava. É complicado trabalhar dessa formar, mas foi feito na medida do possível. 

Nota 8

Richarlyson e Camila (Cha Cha Cha)

richacha

Vitu: Erros perceptíveis nessa dança. Passos mal acabados, pegadas erradas ou feitas sem muita qualidade ou precisão. Houve uma pequena evolução da semana anterior, mas nada absurdo.

O Cha Cha Cha pede muita habilidade das pernas e precisão nos movimentos e o Richarlyson atendeu a essa demanda com muita qualidade. Metade da coreografia foi executada no mesmo lugar, o que me incomodou. Os lifts foram feios e sem classe. Faltou sincronia também nos contratempos, acho que merecia novamente ir para a zona de risco.

Nota 4

Lugui: Depois da mistura de Fera atropelada com Avatar desengonçado da semana, Richarlyson voltou com um personagem ainda pior: como ele mesmo!

Ele é o único participante que não evoluiu nada desde o início e continua parecendo um espantalho dançante. Zero consciência corporal, os mesmos movimentos forçados, deslocamento ruim no palco e uma espera pela condução da professora a cada passo. Só soube ter pena da Thalita, uma das melhores cantoras que já passou pelo The Voice, tendo o triste fim de cantar enquanto Richarlyson “dança”.

Nota 4

Luiz: Primeiramente: demitam o diretor de imagens. Ele mostra mais os professores que os famosos e nessa dança ele preferiu mostrar a banda que a dança.

Dá nem pra comentar direito. Postura feia, ombros muito alto, movimentos exagerados, lifts não permitidos, figurino estranho, sem quadril, posicionamento dos pés bem pobre.

Tá foda hoje.

Nota 4

Tânia e Marcos (Valsa)

taniavalsa

Vitu: foi uma dança bonita, delicada… Mas faltou suavidade em algumas finalizações. Os acabamentos dela não são limpos na maioria das vezes e isso deixa a coreografia menos bonita do que ela realmente é.

Teve o mesmo “erro” da Jade: muito tempo de introdução até aparecer a Valsa, de fato.

Obs: achei super deselegante o Aroxa ter falado que o coreógrafo tem que correr muito atrás para dançar com a Tânia. Acho que os jurados têm um pouco de “medo”não sei porque de criticarem o bailado dela.

Nota 5

Lugui: Tânia é pavorosa como participante e descobri um dos maiores problemas dela: o botox.

Ela se acha com cara de nova pra fazer papel de mocinha florista, mas é senhora e faz fina, além de nunca saber se ela tá blasé ou se falta expressão mesmo.

Enfim, metade da dança não teve dança, foi só a Tânia atuando pra tentar vaga na próxima novela bíblica da emissora e sustentando no carão esticado. Na segunda metade teve mais dança e foram razoáveis. Eu só queria entender toda a proteção do juri em relação à Tânia,  deve ser algum parágrafo do Estatuto do Idoso.

Nota 4

Luiz: Eu tinha adorado que não teve lift, aí no último passo, me tiram a Tânia do chão. Vocês me complicam né.

Olha, os passos foram bons, mas não parecia uma coreografia porque eles não se conectavam. Terminava um, parava, davam um tempo e seguiam pro outro, não teve uma constante. Tania tem uma postura legal, mas precisa ter mais confiança e dançar sem parece ter decorado os passos ou esperar o Marcos fazer o passo primeiro.

Nota 6

Leo e Dani (Rumba)

0013cc6706124db09116dfde3b99c6a6__er7_re_db_leo_dani_2030kbps_2017_04_25_thumb_thumb

Vitu: Muito dramático o número, não?! Achei que em alguns momentos houve um exagero muito grande de expressões e força na coreografia.

Força essa que atrapalhou alguns movimentos e mostrando desequilíbrio em um dos passos. Faltou suavidade para que a dança fosse muito boa.

Nota 8

Lugui: Léo é o Richarlyson que deu certo. Completamente exagerado e com movimentação forçada, mas com a enorme diferença de que Leo tem muito mais qualidades.

A coreografia foi ótima, a história se encaixou e a execução foi boa. Léo voltou ao nível do seu tango da estreia, mais ainda não conseguiu se superar. Precisa melhorar sua postura e ter mais leveza e conter todos os excessos. Pessoalmente, acho que ele ainda é um participante superestimado que ainda tem muito o que provar.

Nota 8

Luiz: Rumba NÃO tem lift. Qual o primeiro passo? Um lift.

Tá foda.

Outro erro, ele tá sem o sapato de dança, que prejudica a postura e os movimentos. O paletó complica a visão do quadril. Ele fez salto de Paso Doble, gente????? Sei lá, foi bom pelo conteúdos de rumba que tinha de monte, mas muito errinho que prejudica no produto final. Figurino, coreografia e execução foram quase legais, mas não incríveis.

Nota 8

Fabíola e Bruno (Zouk)

show_publicpreview

Vitu: Foi um zouk mais dançado na Bahia, com mais tendência à Lambada. Senti a Fabíola muito presa nessa coreografia, não desenvolveu bem os alongamentos, as terminações semitonaram, os cambrês não foram bem executados…

A música tinha tudo pra acompanhar uma bela coreografia, mas não rolou. Fabíola cometeu erros coreográficos perceptíveis, houve uma regressão em relação à semana anterior dela.

Nota 4

Lugui: Colocaram a Joelma numa aula de Zumba e então nasceu a coreografia da Fabíola essa semana. Foi bem ruim e fiquei esperando o passinho do cavalo manco.

Eu não sei mais o que dizer da Fabíola a não ser que pelo menos ela é feliz, né? Apesar de estar toda errada quando dança sozinha, na dança junto com o parceiro ela tem evoluído, provavelmente porque ele consegue dominar mais e minimizar os erros dela. Mas ainda tem muito a fazer, não dá só pra executar os passos e acabou. No final, a homenagem a Amazonas ficou em segundo plano, mas ainda bem, porque não foi bom pra ser homenagem.

Nota 5

Luiz: Gente, desculpa, mas eu não entendo muito de Zouk, mas o que tem a ver essa dança com o Zouk no Tony? Nada.

Acho que foi uma homenagem a Parintins, não sei, não entendi nada. Foi confuso, mas ainda assim eu gosto da Fabíola.

Ela se entrega mesmo que seja ruim. Movimento grandes, intensos, mas precisa alongar as pernas e os braços, melhorar as linhas. O que ela dança de menos, investe no carisma e vai ficando.

Nota 6

Bianca e Tutu (Bolero)

6b2d405210ad4a10b822433f9cefd727__er7_re_db_bianca_tutu_2030kbps_2017_04_25_thumb_thumb

Vitu: a melhor dança da noite. Sem erros. Eles desenharam a música exatamente no tom e nos passos que o Bolero requer. Mãos e pernas alongadas, alinhadas, suavidade, fluidez, movimentos limpos e dentro da proposta.

Foi uma coreografia simples, mas extremamente bem executada. O casal, pra mim, é o mais entrosado e conformou isso nessa dança.

Nota 10

Lugui: Só faltou colocar bobes no cabelo pra completar a caracterização de quem tava indo dormir e foi dançar. A dança dessa semana foi exatamente da semana passada: enquanto no cisne negro sobrou intensidade e surgiram erros técnicos, nesse boleto não teve nenhuma falha do casal, mas a dança foi bem sem graça.

Confesso que em minutos já tinha esquecido que eles se apresentaram. Também me incomodou a expressão sorridente da Bianca nessa apresentação com uma música onde não cabia, mas não sei se era sorriso ou preenchimento facial, então relevei.

Nota 9

Luiz: Bianca tem um liricismo muito forte, fica intenso de se assistir e quando é bem feito assim, fica agradável de se acompanhar. Footwork bacana, coreografia muito bonita, uma música envolvente e um casal pronto pra ir pra final.

Me incomodou só uma coisa: as mãos dela em alguns momentos pareceram soltas, dormentes, sem ação e são as mãos que guiam o resto do braço e isso deixa o movimento mais bem acabado. 

Nota 9

Mika e Bárbara (Salsa)

x9h7315xqmb_8rpbk7k7ye_fileqresize358x222acrop763x473494-pagespeed-ic-dvw-t4xi5g

Vitu: Adorei a coreografia! Em todos os vídeos, eu revejo algumas vezes, inclusive sem o som da música, para poder perceber os passos dos ritmos em execução e ver se falhou ou não.

Teve sim, a Salsa. Nitidamente. Poderiam ter sido mais limpos os movimentos, o casal precisa melhorar nesse aspecto e talvez elaborar melhor a sequência para não dar a ideia de que está fazendo muita coisa e deixar os espectadores sem saber pra onde olhar.

O moonwalk não rolou, né?! Aliás, se você não sabe fazer moonwalk, numa competição de dança, não faça! Contudo, Mika evoluiu muito do primeiro programa pra cá.

Nota 8

Lugui: O Mika que todo mundo achava ser favorito mesmo antes de começar finalmente começa a aparecer. Ele melhorou muito na técnica, tem ritmo e energia na medida certa e evoluiu muito nas finalizações, além de não esperar ser conduzido pela professora dele.

Pra mim o grande problema da performance foi a música. O desafio do Dancing é adequar uma coreografia de um ritmo a uma determinada música, e pareceu que eles estavam dançando uma coisa enquanto o som era de outra apresentação. Thriller é uma música muito icônico e faltou explorar essa temática dentro da coreografia.

Nota 9

Luiz: A Barbara fez uma coreografia ótima, tão boa que eu pensei “nossa, essa dança tá bem bacana e não usaram coreografia alguma do Michael. Massa!” Quebrei a cara.

A parte da salsa foi muito boa, coreógrafa de mão/pé cheio, Mika se mostrou muito ágil, mas seguiu usando o calcanhar pra iniciar a pisada e não pode, acho que ele ficou um pouco atras no tempo, mas nada gritante. Poderia ter sido melhor? Poderia.

Nota 9

Maytê e Paulo (Zouk)

maxresdefault3

Vitu: Foi um Zouk muito bonito. A coreografia foi bem legal e quase perfeita. Zouk é uma dança muito difícil de se aprender, ainda mais em menos de uma semana.

Achei que a Maytê teve alguns movimentos de perna e cabeça comprometidos, a cabeça então ainda tava muito de Tango, mas compensou nos alinhamentos e alongamentos e nas precisões. O partner da Maytê muitas vezes encobre os “erros” durante a dança e isso é muito legal de ver. (Aliás, ele mereceu todas os elogios dos jurados)

Nota 8

Lugui: Estou torcendo pra Maytê e Paulo Victor sim e vou defendê-los. Se eu fosse caprichete, até poderia shippar a dupla.

Eu acho a Maytê ótima e ela cresce sempre cresce em algum aspecto a cada semana, enquanto Paulo mereceu todos os elogios do júri e vem se mostrando um ótimo parceiro e coreógrafo. Essa dança não foi a melhor deles no quesito qualidade das finalizações, mas foi l melhor zouk da noite, a apresentação foi bem contagiante, eles tem muito ritmo e o entrosamento da dupla tá anos luz à frente da maioria dos competidores. Fechamos com chave de ouro a noite.

Nota 9

Luiz: Acho que temos a primeira cota “peito a mostra” da temporada??? Bom, ao que parece o Zouk é a mistura da Salsa com uma Rumba…

Sendo assim, foi bem bacana. Diferente da Tania, a Mayte não para de se movimentar e sempre no ritmo ou em transição dos passos. Quando ela dançou só com as meninas, ela esqueceu um passou e ficou a frente das outras, mas não comprometeu muito o andamento do resto da dança. Ela tem boa jinga e faz bons lifts, mas gosto mais dela intensa…

Nota 8

Considerações

Vitu: Achei injusto o trio que foi parar na zona de risco dessa semana (Fabíola, Jade e Tony) e ainda mais a eliminação do Tony Salles.

Richarlyson, Tânia e Fabíola eram os merecedores dessa zona. Bianca e Tutu formam o casal mais entrosado e Maytê e Paulo também estão alinhados. Bianca e Mika foram os que mais evoluíram durante o programa até agora e o coreógrafo da Sheila pode ousar muito mais com ela. Leo só precisa controlar os excessos. MC Gui se voltar na semana que vem e não mostrar evolução alguma e continuar demonstrando que não está nem aí para o programa, já pode sair de vez. Ah, #SaudadesJu

Lugui:  Ainda vou demorar a superar a saída da Juliana, porque ela tinha tudo pra ir longe na competição. Mas vamos ver se ela conseguiu arrastar junto o MC Gui, que não fez a menor falta.

Quanto à zona de risco e eliminação, Jade nem era pra estar nessa situação, então foi mais que justo ser salva. Entre Tony e Fabíola, Tony merecia ter ficado pois estava crescendo no programa e a própria Fabíola e outros foram piores que ele. Agora é aguardar a próxima semana!

Até a semana que vem, passageiros!

Anúncios

17 comentários em “Dancing Brasil #4

  1. Falei semana passada que a Fabíola ainda vai eliminar um dos nossos preferidos, e eu continuo com esse pensamento, ela é povão, e ela vai ficando, ficando…
    Gente, acho que vocês pegam MUITO no pé do Richarlyson, muito mesmo, claro que ele não é bom, mas não sei, sinto que vocês são mais criteriosos e rigorosos com ele. Assim como vocês puxam sardinha para a Sheila… desculpa gente, mas eu precisava ressaltar o que eu acho.

    Lugui: Estou torcendo pra Maytê e Paulo Victor sim e vou defendê-los. Se eu fosse caprichete, até poderia shippar a dupla. (Confesso, tô me segurando para não shippar)

    Não queria que o Tony saísse agora, por mim, Tânia e Fabíola sairiam primeiro, parece que todos os homens vão ser os primeiros eliminados, e só vai sobrar a mulherada…

    Curtido por 1 pessoa

    1. Hahahah Amanda, a gente pega no pé dele sim pq não tá bom ainda. E não é que puxemos sardinha da Sheila. É que ela tem técnica e sabe dançar, então, os critérios de avaliação técnicos são diferentes. Ele ainda não sabe e vem errando as mesmas coisas a cada semana.

      Mas ainda tem Tânia, Fabíola, MC Gui…

      Curtir

  2. Ah, fiquei triste com a saída do Tony, concordo que ele teria bem mais conteúdo a oferecer para o programa do que Fabíola mas aí, como é o povo que escolhe…gosto dela mas em termos de dança ela realmente é muito fraca. Sobre Richarlyson, também não concordo com tantas críticas. Acho ele melhor que alguns ali, esforçado e de uma humildade comovente. Achei que ele foi bem nessa última apresentação. Torço por ele porque a gente percebe a imensa vontade que ele tem de evoluir, fazer bonito.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Desculpa – tanto pra você quanto pra Amanda e MN M – mas o Richarlyson não tem que comever com a humilade. Por que humildade deveria comover aliás? Humildade é uma virtude mas se comover com ela é mesma coisa que dizer que vc se comove com honestidade… que é uma coisa que deveria ser o comportamento padrão. Tem gente que pode se esforçar e não vai dar certo. O mundo não é de colher de chá… e de talento. É óbvio que politicagem atropela talento em quase todos os âmbitos da sociedade. Mas essa é outra conversa. No entanto, no que se refere à essa competição, Richarlyson é ruim sim. Não é pq a Fabiola não se debulha em lágrimas que ela seja menos merecedora de mais chances. Ali (e nesse blog) tem que se julgar performance e não miss simpatia e namoradinhos do Brasil.

      Curtir

      1. Dentista,

        Em momento algum falei na humilde do Richarlysom. Falei que ele tem, notoriamente, mais dificuldade do que os demais, mas em contrapartida o empenho dele para superar as próprias limitações é grande . Não acho que ele tem que “comover” pela humildade, e sim que ele merece um crédito que empenho.

        Já fiz dança de salão ( aula) por 3 anos. Fazia aula diariamente ( noturnamente- rsrsrss, pq trabalho durante o dia, of corse ), aos sábados fazia 4 horas seguidas, e ainda participava de aulas de tango. Também já fiz aula de dança espanhola. Então não é um universo completamente estranho para mim. Confesso que tive dificuldade inicial , mas depois de um tempo deslanchei. Lógico que eu tinha mais facilidade com alguns ritmos – zouk, bolero, forró pé de serra, lambada, merengue) e uma dificuldade maior com o chá -chá -chá, samba de gafieira ( que é dificílimo) e soltinho. E há escolas, tendências. No Brasil temos duas grandes vertentes da dança de salão: Carlinhos de Jesus e Jaime Arôxa.

        Parece que Paulo Victor e Maytê são quase unanimidade.

        Curtido por 1 pessoa

          1. MN M,

            Dança de salão, pilates, culinária, filmes no Netflix, reality shows, leitura, etc… quero sua lista de como fazer tudo isso e ainda conseguir cumprir as obrigações do dia a dia! Impressionante.

            Curtir

        1. MN M,

          Não disse que você falou aquilo. Incluí você e a Amanda na interação com a Maria Tereza porque também estavam na opinião do não pegar no pé do Richarlyson. Não queria monopolizar a seção escrevendo respostas para cada uma sendo que o tema seria o mesmo. Reli a resposta e pensei que por serem citas entre hífens, daria pra separar o que veio depois como uma resposta mais voltada pro que a Maria escreveu. Eu não colocaria palavras na sua “boca” visto que você sempre escreve tão eloquentemente e com excelente argumentos. Dito isso declaro que não sou do time colher de chá visto que o participante já está treinando há quase dois meses. Não sou especialista mas certos erros grosseiros que ele comete é de a tirar a paciência. Grande choque seria se, como no gringo, todo mundo fosse a voto popular e acontece aqueles erros grosseiros de gente muito boa ser desclassificada. Isso sempre dá um acorda no povo e passam a votar com mais critério. Mas enfim, independente do formato, acho que embora tenha gente pior que ele pra sair, e estão saindo, a constante colocação no fim da lista já é um alerta pra ele de que algo não está funcionando. Já não se pode dizer nem que é culpa do juri. Eu boto fé que a idiota que trabalha ele não tem ideia do que está fazendo. Como que ela não corrige a postura dele? Por que ela não chama o Paulo da Maytê pra mostrar pro Richarlyson como ele deve se colocar? Sabe… tem N opções de como corrigir o pupilo dela e ela continua só passando coreografia pra ele. Eles merecem ficar ali. Na semana do tema cinema, eles literalmente foram ao cinema pra se prepararem pro espírito da dança. HAhahahaha. É quase jardim de infância a lógica por trás do raciocínio de como eles se preparam artisticamente. Tomara que ela veja que ela nasceu pra executar mas não guiar ou criar. Fraca. Aliado à ela, é impossível que o Richarlyson evolua.

          Curtir

          1. Dentista,
            Concordo com você que o rigor é necessário. Só pedi pra dar uma aliviada pelo fato de que ele tem dificuldades reais, mas se esforça na mesma proporção. Talvez a partner tenha parte dessa responsabilidade. Como faço pilates há muitos anos, aprendi que o verdadeiro amigo dos ombros é a cintura. Tem uns exercícios ótimos e facílimos que ajudam a baixar os ombros , abrir o peitoral, expandir a caixa torácica, e ao mesmo tempo baixá-la . Ele tem a caixa torácica alta, e isso contribui para essa elevação dos ombros. Também exercícios respiratórios são de grande ajuda. Acredito que ele deveria fazer uns alongamentos específicos, RPG. Um conjunto de atividades que poderiam ajudar. Percebi também que ele tem uma curvatura de joelhos bem acentuada. Apesar de ter estatura, não é alongado. Essas características são do biótipo dele, ou posturais. Leva tem para corrigir. Minha alusão é a esse conjunto de problemas e dificuldades reais. Ele não tem consciência disso. Talvez a partner não esteja tão apta a ajudá-lo de modo prático num curto período de tempo.

            Curtir

          2. Dentista
            Também estou longe de ser uma especialista no tema. Mas amo dança de salão e tudo que trabalha a postura e ajuda a usar o corpo com leveza e fluidez.

            Curtir

      2. Rindo muito.

        Fácil. Você está me imaginando realizando todos essas atividades ao mesmo tempo. Mas não foi isso que eu disse. Falei que em algum momento FIZ ( passado) aula de dança de salão , por exemplo.
        Sou uma privilegiada, pois pude optar por uma jornada de trabalho é de 6 h diárias e contínuas de segunda a sexta. Em alguns períodos trabalho(lhei) de 7 às 13h. Ou de 8 às 14h. Ou de 12 às 18h. Ou de 10 às 16h. de acordo com o foco e negociação no trabalho. Aí é só organização de agenda. Até porque não fiz tudo isso simultaneamente. Veja que eu disse: (fiz) dança de salão durante 3 anos. Portanto não dancei a vida inteira.Em alguns momentos, quando meus filhos eram pequenos, os deixava na escola às 7h, caminhava na praia até às 8h. De lá direto para o pilates – 2ª, 4ª, 6ª. Às terças e 5ª natação e hidroginástica , logo cedo, e depois 1 hora de aula de tango. Fazia alternância. Em outros períodos preferia acompanhar as atividades dos filhos, e então cumpria jornada de 7 às 13h. Aí almoçava com eles, ajudava nas atividades escolares, íamos juntos para a natação. enquanto eles nadavam eu fazia pilates. Ainda fazíamos aula de música e inglês. Na sexta-feira à tardinha eu fazia aula de italiano( 2h). Sábado pela manhã aula de francês.(2h). E sim. Amo cozinhar. Mas a minha cozinha é numa linha bem orgânica e natural. Meus colegas de trabalho dizem que eu não sou parâmetro, pois faço N coisas. Com essa alternância, e uma jornada de trabalho menor me permiti várias atividades. Nunca abri mão de ser efetivamente a mãe dos meus filhos. E sempre fizemos muitas atividades em família. E cedinho nos sábados íamos caminhar na praia. Todos juntos. Abri mão de ganhar mais para viver e usufruir a companhia dos meus filhos. Eles crescem num piscar de olhos, e eu não queria ter arrependimentos. Meu ex-marido tinha uma jornada que o deixava longe de casa por umas 10h. Eu tive que suprir essa ausência. A nossa renda familiar sempre nos permitiu uma vida confortável, viagens. Pra que ganhar mais sacrificando os filhos, deixando de viver? Sinto-me privilegiada, pois a vida me oportunizou fazer essas escolhas. Via o drama existencial de colegas, que optavam por uma jornada de 8, até 10 e não viram os filhos crescer. Vez por outra, em algum momento da vida, aceitava dar uma ou outra disciplina na Universidade Estadual à noite, como professora convidada. Embora eu ame a sala de aula,não fiz disso uma prática, nem era a minha atividade principal. Um dos segredos foi optar por um mesmo local com atividades múltiplas: pilates, dança de salão, dança espanhola, hidroginástica e natação, aulas de pano( circo) – que eu também já fiz. E ir alternando entre essas múltiplas atividades.
        Naturalmente eu contava com uma profissional para realizar as atividades domésticas. Hoje não mais. Com os filhos crescidos é mais fácil prescindir de uma.

        Curtir

        1. Infelizmente, MN M, eu ainda não posso me dar ao luxo de reduzir as horas trabalhadas. Mas não tenho do que reclamar visto que a vida está boa porque ainda não tenho as obrigações que você teve. Mas, com o passar do tempo, tudo indica que vou ter que começar a me organizar igual a você. Não quero perder a vida que já percebi que voa… uma pena. Estamos aqui por um período muito curto.

          Curtir

          1. Dentista,

            Sou e sem fui a favor do equilíbrio entre a vida profissional e a pessoal. A maternidade/paternidade é um privilégio indescritível, mas em contrapartida uma enorme responsabilidade. Sempre disse que não teria filhos para serem educados pela babá, pela TV ou mesmo por avós. Chamei pra mim uma atribuição que é minha e eu a tenho como intransferível. Desde sempre viajei com meus filhos sem babá a tiracolo. Nos hotéis as pessoas ficavam embasbacadas como conseguíamos. Para mim era tão natural, tão óbvio: nós éramos os pais. Amo intensamente a vida para me aprisionar no papel de workaholic. Desafiador como seja o nosso trabalho, ele é apenas uma aspecto da vida. Não adianta compensar os filhos com eletrônicos caros para suprir a nossa ausência. Vejo meus filhos tão plenos, inteiros, sem buracos afetivos e isso não tem preço. Além do que sempre foi um prazer inigualável exercer a maternidade e estar todo o tempo possível com eles. Sempre que possível, vale muito a penas trabalhar menos horas e viver mais e melhor.

            Quanto a fazer várias atividades tem a ver não somente com o tempo disponível, mas com a energia de cada pessoa, a avidez de viver e não apenas existir, a organização e planejamento. Porém sempre reservando “un po´di tempo” para “il doce far niente”.

            Curtir

  3. Meninos, não peguem tanto no pé do Richarlyson. Ele tem feito um enorme esforço. Naturalmente tem mais dificuldade que os demais, os ombros altos me incomodam, mas admitam:ele melhorou sim desde a última apresentação.

    Todo mundo querendo chipar a Maytê e o Paulo Victor ( moi aussi). Que gracinha de casal! E sim, ele mereceu todos os elogios. E olha que é apenas um garoto – 23 aninhos. Tem futuro, o capixaba. No mais concordo com tudo. Que deveria ter saído era de fato a Fabíola. Sheila e Bianca ainda tem muito a mostrar. Não gostei desse souk que nem é souk realmente. E da salsa que não é salsa. Ousadia a parte, há tantos souks e salsas reais, belíssimos, e que poderiam ter sido usados.

    Curtido por 1 pessoa

  4. Sabe, pode copiar o programa gringo, pode replicar detalhes direitinho, mas não adianta: sem talento artístico, fica ruim. Uma das coisas, no que compete à parte técnica, é o que eu falei no post de estréia e que o Luiz falou aqui hoje no texto: não é pra focar no professor(a) e sim na estrela! É delas os movimentos que temos que ver e julgar. Sem contar na história que é desenvolvida pros números: a estrela tem que ser o foco. Exemplo: o Chato Miggiorin tinha que ter invertido papéis com a professora e ele que deveria terminar chorando a perda do grande amor. Outra coisa mais pecaminosa: as músicas… AS MÚSICAS! É verdade que o formato é colocar uma música inesperada para um ritmo com outra pegada, mas como eu já disse, um riff, um acorde, uma melodia, tem sempre que remeter ao estilo. Rumba é dançada, em todos os programas de mesmo formato ao redor do mundo, com uma música sensual. Eles vão lá e metem o Steven Tyler cantando música de filme pipoca. Se bem que pro Chato Miggiorin, tá ótimo. Muleke chato baragay! Termina o número e ele começa fazer discurso, que ninguém pediu pra ouvir aliás, falando de como aquilo é difícil e como eles lutam pra entregar o melhor. Rapazinho idiota. Alguém tem que falar praquele bocó que eles não vão fazer nenhum bem pra população por dançar direito. Ali não vai ser descoberta a cura do cancer. Seje menas, Leo! Torcendo pra Chama mandar ele calar a boca.

    E pra completar a bronca da falta de talento artístico: professor da Fabiola é péssimo. Nulo. Ele só rouba coreografias, e só deixa ela pior. Ele não consegue consertar problemas básicos de postura. A professora do Mika é outra truqueira que copia tudo que ela já viu. Ela deve passar a madruga no youtube aprendendo tutoriais de dança. A platéia levantou pro Mika? Claro… botando alguém imitando um clássico do Michael Jackson vc faz as pessoas levantarem mesmo. Mas elas aplaudem a genialidade do Michael e não a performance tosca do Mika. Deveria ser obrigatório a dança ter 90% de conteúdo original pra assim parar esse absurdo de cópias. O professor péssimo da Tânia deveria casar com o professor da Fabiola e os dois poderiam sumir do nosso campo de visão!

    Concordo plenamente com os jurados sobre a história da dança da Sheyla ter sido mal contada. Eles tacam uma música da Beyonce que fala de estar “assombrada por desejos” e os idiotas contam uma história onde a máscara cai já no início. Vixe…

    Olha, vou falar uma coisa pra vocês: futuro ali promissor só mesmo o Paulo da Mayté. E falei isso já recaps atrás. De fato ele é mesmo uma estrela e a coreógrafa oficial do programa deve estar roendo as unhas pensando em uma forma de sabotá-lo pra não perder o emprego pra ele! HAHAHAHAH.

    No mais tenho que comentar isso: “Só soube ter pena da Thalita, uma das melhores cantoras que já passou pelo The Voice, tendo o triste fim de cantar enquanto Richarlyson “dança”.”

    Hahah! Que comentário maldoso! Tão maldoso que é maravilhoso. Nem sei quem é Thalita, nunca havia visto e nem ouvido. Mas não me surpreende que seja do The Voice, afinal de contas aquele programa é ótimo pra descobrir vozes e depois “cobrir” novamente com o cobertor do esquecimento. Você quer ser cantor(a)? Rale em barzinhos, abrindo shows pra outros, meta até video no youtube, mas jamais participe de programa de calouros. Não dá me nada!

    E o Richarlyson já é um avanço que engoliu o choro. Detesto quem fica disfarçando a falta de talento com chorinho e se fazendo de sofredor bom moço. Novela mexicana é uma coisa que sempre me deu preguiça desde criança. Menos a Usurpadora pois adoro história de malvada cadelona que faz o marido cornão de idiota. E nada mais divertido que ver efeito chroma key malfeito!

    Curtir

  5. Piloto e juri ilustre do Pilotando tv, estou na torcida pela Maytê. ela me conquistou pelo seu esforço e perfeccionismo, essa menina além de linda transpira senssibilidade e paixão pelo que faz. o professor Paulo é excelente e os dois fascinam dançando juntos, a Sheila é otima mas não se esqueçam que ela é bailarina de formação.. por isso nem levo em consideração ela na competição. acho que todos teriam que estar em igualdade de condição ou seja não pertencer ao mundo da dança como ela. destaco tambem a Dani professora do Léo que é excelente e está conseguindo fazer um bom trabalho com ele.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s