Dancing Brasil: Melhores Momentos

Você pensou que não ia ter post do Dancing Brasil até a chegada da segunda temporada, né?! Como a gente ia deixar essas semanas todas sem post e sem nem separar o que achamos de melhor nessa primeira edição? Jamais.

Por isso, eu @paypervitu, @luguicosta e @luizcmorais nos dividimos e cada um escolheu quatro ritmos diferentes para eleger qual foi nossa apresentação favorita. Não consideramos só a técnica, mas a dança que nos encantou como um todo. Que fique claro que um não interferiu na escolha do outro.

Só pra vocês entenderem a divisão: listamos todos os ritmos regulares dessa temporada (excluímos os ritmos das trocas de pares e o Charleston). Em ordem definida por nós, um por vez foi decidindo qual ritmo ia ficar.

O resultado foi

Vitu: Cha Cha Cha, Salsa, Jive e Quickstep.

Lugui: Paso Doble, Valsa, Rumba e Samba.

Luiz: Tango, Foxtrote, Bolero e Zouk.

Vamos às danças!!!

Vitu

1) Cha Cha Cha:  O primeiro ritmo que escolhi (porque adoro) foi o Cha Cha Cha. A apresentação que mais gostei foi da Jade e do Teo. Uma coreografia bem desenhada, bem dançada, que encaixou direitinho na música e que me surpreendeu na décima semana. Nesse dia, aliás, eu estava lá e aplaudi muito! Vamos relembrar?

2) Salsa:  Foi na terceira semana e o tema era Cinema. Uma das melhores semanas, com um nível bem alto. Acho que tiveram Salsas muito boas na competição, mas essa foi marcante demais e mereceu muito 10. Reveja o Dirty Dancing de Sheila e Marcelo.

3) Quickstep: Essa foi difícil escolher, mas não porque tiveram muitas apresentações ótimas e sim pelo contrário. Não teve muito Quickstep na temporada e os que tiveram foram mal executados. Sendo assim, preferi deixar a técnica de lado e levar em conta a diversão e o entretenimento. O destaque dos Quicksteps da primeira temporada aconteceu na quinta semana, podem entrar com seu Bollywood, Bianca e Tutu!

4) Jive: Durante toda a temporada, ouvimos muitas vezes o Jaime Arôxa criticar as apresentações de um ritmo específico e que até virou bordão… “Não vi Jive”. Mas na semifinal teve muito Jive! Numa apresentação surpreendente e que me impressionou, vem mostrar o melhor Jive da temporada, Jade e Teo!

Lugui

1) Rumba: Homenageando a filha da Maytê, a dança do acasalamento do casal Patê sob luz roxa de boate foi a melhor rumba da competição e a dança mais caprichete de Patê de todas as danças. Maytê, que costumava ficar nervosa nas apresentações, deixou a ansiedade pra trás e estava bem plena, mandando bem nos giros, pernas e finalizações, sem contar no lift (mesmo que não tenha na rumba) corou a apresentação e fez a plateia e eu vibrarmos. Já Paulo Victor oficializou o Descamisado Card pra jogo e conquistou de vez as piroqueiras.

2) Valsa: Apesar de não ter sido a melhor valsa se pensarmos tecnicamente nesse ritmo, essa apresentação foi de longe uma das mais marcantes da temporada. O programa com tema Cinema foi a semana em que o Dancing engrenou, pois contou com ótimas apresentações, e Bianca, com sua competitividade, foi um dos principais destaques do episódio. Ela entregou uma grande interpretação de Cisne Negro e Tutu soube introduzir isso muito bem nos movimentos da apresentação , mostrando pro público como deve ser uma dança em uma semana temática, ainda inédita naquela época, do formato do Dancing.

3) Samba: O samba foi um ritmo problemático na franquia brasileira pois estamos acostumados com a gafieira e o programa propõe o samba internacional, com músicas em estilos bem diferentes. Os coreógrafos custaram a pegar o jeito, até que Paulo Victor, que ganhou o título de melhor professor do programa no afronte da Maytê naquela ocasião, montou a melhor coreografia de samba do programa, dentro de uma música inusitada mas mantendo características do samba que conhecemos. Maytê também esteve bem, mesmo sendo um ritmo rápido, e com vontade de arrasar depois de sua experiência não muito bacana de troca de casais na semana anterior.

4) Paso Doble: Juro que tentei muito não colocar mais uma dança Patê aqui para não parecer tendencioso, mas até o mais Jadaonático dos telespectadores irão concordar que essa foi o melhor Paso Doble da temporada. A mistura de canteiro de obras com Bon Jovi com paso doble poderia ser uma grande presepada, mas a coreografia mais uma vez impecável do Paulo Victor de um Paso Doble urbano fez a Maytê brilhar e mostrar seu potencial nos ritmos mais fortes e finalmente conquistar os 30 pontos – pasmem – depois de longas 12 semanas. Ao longo do programa tivemos outras danças desse ritmo, como a emocionante apresentação da Sheila Mello que fez até Fernanda Chamma chorar, também muito boas, mas essa conseguiu se destacar mais dentro da proposta de formato do Dancing Brasil.

Luiz

1) Tango: Os tangos que foram apresentados no Dancing Brasil são chamados lá fora de Tango Argentino. Seguindo seus conceitos, técnicas e características, algumas apresentações conseguiram captar a essência da dança, mas poucas se igualaram a maestria do último Tango feito por Maytê e Paulo.

Essa dança foi uma das poucas que levou os dançarinos ao Caminito na Argentina, os usou como personagens de uma história de amor, sensualidade e mistérios. Esse tango é a entrega, a devoção dentro de casal de um pelo outro. Diferente de outras apresentações que foram rasas e atrapalhadas pela atmosfera (sim, eu tô falando do nheco nheco chic chic balancê da Sheila)

A agilidade é necessária para o ritmo e Maytê conseguiu se manter do nível do Paulo, com chutes e entrelaçamentos rápidos, precisos e bem finalizados. Lifts com alto grau de dificuldade, mas acima de tudo, eles estavam dentro do personagem. Além disso, eles souberam trabalhar com os elementos cênicos, como a rosa e (o mais importante de todos) o público. Nota 30 mais merecida.

2) Foxtrote: Eu relutei um tanto pra escolher essa dança como o melhor foxtrote da temporada. Pensei no índio do Mika e no Leo de anos 70, mas ao rever essa dança (dessa vez ignorando o figurino feio), eu tive que me encantar pela simplicidade da coreografia.

O menos é mais e infelizmente eu não falo do vestido da Jade, mas dos milhões de truques que poderiam estar na dança e não estão. O foxtrote é como uma transição entre a Valsa e o Jazz. É preciso subir e descer ao longo dos movimentos, postura precisa, mas ainda arrematar a apresentação com partes mais livres, soltas. É uma dança de salão leve, aberta pro público e com liberdade de criar, sair do abraço.

Fugindo do que os outros participantes fizeram, essa dança focou nos dois, teve um foxtrote simples, com passos característicos, qualidade na montagem da coreografia e com execução adequada. A música ajudou muito, mas trabalhar bem e fazer um simples bem feito, é melhor que uma complexidade bagunçada.

3) Bolero: Confesso que Bolero era um desconhecido pra mim porque não é feito nas versões gringas. Depois que fomos apresentados eu passei a entender um pouco e acho que estou certo em falar que ele é uma rumba um pouco mais elaborada, como se fosse a versão Ballroom dela.

Essa dança foi feita no começo da temporada e não foi perfeita, mas ela define o bolero com os passos feitos. Quadril em movimentos, sentimento, pés no chão, interação entre o casal.

E uma das partes que eu mais gosto nessa apresentação é a música porque eu esperei muito que danças fossem feitas com músicas brasileiras para ver como elas seriam interpretadas na pista de dança e o Dancing Brasil teve esse poder. Essa escolha transformou o sentimento da dança, que de todas apresentadas no programa, foi a que mais conseguiu transmitir uma mensagem com qualidade.

4) Zouk: Assim como o Bolero, eu conheci e aprendi sobre o Zouk no Dancing Brasil. Basicamente é uma dança de características latinas com muito movimento de coluna e pescoço. Joelma do Calypso seria a rainha dessa dança.

Como ela não está participando, nada melhor que a rainha do Tchan, Sheila Mello ganhar o melhor Zouk da temporada. Evidências é perfeita, pro Zouk talvez nem tanto, mas eles souberam incorporar o ritmo à música e saiu uma apresentação mais romântica, com ares de sedução.

Ao longo do programa faltou coerência entre um zouk e outro, mas eu tiro esse da Sheila (e só dela) como melhor por conta da qualidade dos movimentos, da técnica, dos acabamentos e a incorporação da música ao ritmo. Pisa menos Sheila. Só a Sheila.

Médias do júri Pilotando TV

A cada semana, nós aqui do blog avaliamos todas as danças. Quer dizer, na segunda semana do programa a gente não fez post porque era a reta final do BBB 17. Então, somamos e dividimos todas as  notas que demos e a média final foi:

Maytê: 25.9
Jade: 25.1
Léo: 24

Mika: 21.2 (11 danças)
Sheila: 25.5 (9 danças )
Bianca: 21.5 (8 danças)
Tânia: 14.5 (6 danças)
Fabíola: 15 (5 danças)
Richarlyson: 13.7 (4 danças)
MC Gui: 14.3 (3 danças)
Tony: 18.6 (danças)
Guilherme: 16 (2 danças)
Juliana: 22 (2 danças)
Dalton: 14 (1 dança)

Marquei um X 

Além de termos dividido os ritmos, cada um ficou responsável por escolher o momento dos momentos. Aquele mais emblemático da temporada. Aquele que deu um arrepio e que vai rever várias vezes. Esse momento poderia ser uma dança, uma apresentação, uma saia justa… qualquer coisa que tenha marcado e veja qual foi a parte preferida de cada um.

Vitu: Pra mim, o que mais marcou foi na final, quando (quase, pois faltou o MC Gui) todo o elenco da primeira temporada se reuniu e desceu a escadaria com seus clipes passando no telão, entoados pela maravilhosa Thalita Pertuzatti cantando o tema de abertura do Dancing Brasil, e depois performaram a abertura, ao vivo, no palco para depois receber as estrelas da segunda temporada. Foi maravilhoso! Bora rever!

Lugui: Todo mundo sabe que minha torcida foi Patê e tive a chance de enumerar várias danças boas do casal. Mas o Dancing pra mim não teria sido o mesmo sem a presença da rainha do slow qüíqüíqüí, aquela que não só anda mas também desfila, que fez carão como ninguém, botou a perna pra jogo pra mostrar que o pilates tava em dia, e que nem precisou dançar pra permanecer 7 semanas em uma competição de dança. Com vocês, alguns dos melhores piores momentos de Tânia Alves:

https://youtu.be/AT_qNtJHnmQ

Luiz: Ao longo do programa pudemos perceber e conhecer o trabalho desses profissionais da nova geração da dança que não tinham muito espaço na mídia. Barbara, Dani e Tutu foram os que mais se destacaram pra mim, elas na coreografia e ele na dança.

Mas nenhum deles conseguiu chamar tanta atenção quanto o Paulo Victor, que foi o melhor professor da temporada. Ele fez coreografias incríveis como a do Jazz da Jade:

Ele tava no elemento dele, criou uma coreografia belíssima, com história e sentimento e conseguiu que fosse interpretada pela Jade no tom certo. Foi a partir daí que ela desabrochou e deslanchou na temporada.

A parceria dele com a Maytê era a mais esperada por mim a cada programa. Não pelo pseudo-romance, mas pelas boas danças que eles apresentavam. No caso da Valsa, que é uma das minhas danças favoritas deles, é possível ver todos os detalhes pensados pra dar acabamento e qualidade aos movimentos da coreografia.

O Paulo vai longe e acompanhar ele com a Maytê (ou a Jade) e as coreografias que ele criou foram o ponto alto da temporada pra quem gosta de apreciar a boa apresentação de dança.

Semana que vem tem mais!

Na próxima semana vai ter post SIM! Vamos comentar sobre as estrelas da segunda temporada, contar quem serão os técnicos. VAI TER TÉCNICO REPETIDO e vários… A gente vai contar tudinho.

E você? Curtiu as nossas escolhas? Quais foram os seus momentos preferidos dessa primeira temporada? Quais coreógrafos você quer ver de volta no Dancing Brasil – 2T?

Aquele beijo!

Anúncios

20 comentários em “Dancing Brasil: Melhores Momentos

  1. Sugiro mudarem de “Pilotando TV” para “Templo de Adoração de Patê”, porque, né? Qualquer pessoa sensata lendo esse texto se pergunta como o público pôde ter sido tão injusto dando uma vitória apertada para o fOFuxuUuuUuss Patê quando eles dominaram tanto a edição com tanta apresentação INCRÍVEL… MARAVILHOSA… SENSACIONAL… FORMIDÁVEL… MELHOR DO MUNDO!!! Deveriam ter sido vitoriosos com 99,9999999999999% por cento dos votos e serem coroados imperadores do universo, dando ordens em Trump e no Ditador da Coréia do Norte, não é verdade?

    Curtir

    1. Pãozinho, deixa sua lista com os melhores momentos, assim vc pode participar da brincadeira em vez de só criticar por criticar

      discordância é bem vinda, mas apresente seus momentos preferidos, pq assim gera o debate

      bjs

      Curtir

    2. Esse comentário não faz sentido porque é só ver no próprio post que Maytê e Jade ficaram separadas por décimos na média das nossas notas e com 4 x 3 entre as melhores danças de cada ritmo, o que justifica o quanto concordamos com o resultado apertado da final.

      Não se leve a sério e nem nos leve tão a sério bem, estamos aqui pra nos divertir entreter, assim como é o objetivo do programa.

      Curtir

    3. Durante toda a edição, eu critiquei muito todos. Todos tiveram defeitos e qualidades, os 3 finalistas mais qualidades que defeitos… Léo ia muito bem às vezes e ia muito mal outras vezes. Maytê, pra mim, veio descrevendo ao longo da competição, acho q a vitória foi do Paulo Victor, já falei isso no outro post. Em contraponto à Maytê, Jade só cresceu e terminou ótima. Tanto que as 3 danças justificaram isso. Por mim, quem teria vencido o programa era a Jade e o Teo. No entanto, o crescimento da Jade não foi o suficiente pra bater o favoritismo da Maytê que começou excelente, mas q pra mim não evoluiu.

      E pra vc? Qual foi o melhor e o pior momento?

      Curtir

      1. vitu, é que caprichete, quando escolhe seu favorito, não volta atrás. A Jade podia ter virado a Ana Botafogo que não ia adiantar, a vitória ser de Patê. Quem mereceu ganhar foi o Paulo Vitor, mas como o foco é no famoso e não no profissional, vitória injusta

        Curtir

    1. Como você justificaria a vitória da Jade ou do Léo? Só por curiosidade mesmo?

      Eu mesmo já falei aqui sobre as qualidades e defeitos deles na pista de dança. Quem são nos bastidores não coube muito aqui.

      Curtir

      1. acho que por questões técnicas, mesmo. Como o vitu apontou, maytê não evoluiu. Ela foi boa desde o começo, e continuou com as pequenas falhas até o fim. Enquanto Jade, no início robótica, no final já tava uma profissional. Essa evolução pra mim mereceu a vitória.

        Curtido por 1 pessoa

        1. Isso, Cissa! Não poderia concordar mais com vc… acho que conta muito a linha de partida até o fim. No final, achei a Jade bem melhor que a Maytê, q começou bem, mas não vi evolução (principalmente em ritmos acelerados).

          Curtir

  2. deste o 1 dia de programa esta maitê já estava cotada para ser campeã..tanto que esta garota tinha sido eliminada com seu parceiro e fizeram a refrescagem com votação para ela voltar e levar o prêmio..Os realitys da TV aberta todos estão ficando decadentes sempre tem a escolhida da produção do reality. patético!

    Curtir

  3. Luiz, sabe por que o Tango Patê foi o que mais nos remeteu ao Caminito (além da boa coreografia)? Porque eles dançaram a clássica LA CUPARSITA! O que isso se significa? Significa que nada como uma música própria do ritmo a ser dançado, né!
    Eu sei que a proposta do Dancing é adaptar a dança à música e talz, mas tem hora que a presepada é tanta que fica desprazeroso ver a apresentação. O melhor exemplo disso pra mim é o paso doble tbm de Patê. A coreografia é ótima, mas NÃO SE ENCAIXA na músicas do bon jovi. Só consigoi apreciar a apresentação quando ponho no mute, porque se assisto junto com a música tocada simplesmente parece que tô ouvindo o áudio de outro vídeo.
    Isso sempre me incomodou no DWTS e continua incomodando no dancing.
    Bota a música em outro ritmo, pô! Sim, muito melhor colocar música da xuxa em ritmo de tango pra dançar tango (sim, adorei o nheco nheco da Sheila, uma das melhores adaptações do programa), do que botar um rock pra dançar paso doble!

    Curtido por 1 pessoa

  4. Agora um apontamento sobre a produção do programa: “samba internacional” é meuzovo, samba é coisa nossa. Eu acho bonito o ballroom samba, mas fico puta por ser chamado de samba. Gringo nunca devia ter pegado uma criação brasileira e colocado num ritmo que não tem nada a ver com samba, propriamente.
    Sendo assim, peloamordedeus, na versão brasileira de um programa internacional que coloquem o samba como ele é de verdade. Fico feliz que o dancing tenha optado pela versão original do samba, mesmo quando dançado com músicas estrangeiras. No início tava meio indefinido, a apresentação da juliana silveira por exemplo foi um mix de gafieira com ballroom samba. Mas no decorrer do programa optaram pelo samba de verdade e fico feliz com isso.

    Curtir

  5. Aham… Vamos lá! É claaaaro que é um programa de entretenimento. Assistimos pra nos divertir. Portanto, discutimos também pra nos divertir. A minha reclamação é que vocês se postaram como a própria bancada de jurados durante toda a temporada, fazendo julgamentos técnicos, mas na hora de dar as notas, os dois “Ls” jogavam tudo pro alto e se entregavam à paixão para FINGIR que Maytê tinha sido maravilhosa, desconsiderando (ou justificando) todos os defeitos para atribuir-lhe notas altas, enquanto eram extremamente rigorosos com outros candidatos. É mais ou menos o que os jurados do “Show do Famosos” do Faustão faziam pra defender Nelson Freitas e Fafá de Belém. Tem que definir bem o personagem, como Vitu fez.

    Me pediram pra apontar as melhores apresentações, NA MINHA OPINIÃO? Pois vamos lá:

    Cha-cha-cha = Mika (semana 10)
    Salsa = Sheila (semana 3)
    Jive = Jade (semana 12)
    Quickstep = Bianca (semana 5)
    Paso Doble = Sheila (semana 9)
    Valsa = Jade (semana 7)
    Rumba = Leo (semana 4)
    Samba = Maytê (semana 9)
    Tango = Jade (semana 13)
    Foxtrote = Jade (semana 12)
    Bolero = Leo (semana 12)
    Zouk = Sheila (semana 10)

    E parece que essa questão sobre o miguxismo de vocês com o casal Capricho não é uma reclamação só minha, tendo em vista que várias pessoas me acompanharam no protesto. Beijos de luz e continuem nos matando de raiva com opiniões incoerentes para termos o que debater. Hahahahahahah….

    Curtido por 1 pessoa

  6. Eu li esse post durante uma pausa na bebedeira do fim de semana, e só agora resolvi comentar. Eu não vou escolher as melhores danças porque eu já nem lembro muito na verdade, e é uma pena que esses vídeos não tenham só a dança e sim ensaios e aquela presepada toda, que me dá preguiça. Enfim, adorei a lista, acredito que trocaria algumas e talz…
    Mas outro ponto, não acredito que um post desses, que não tinha ninguém falando de campeões as pessoas venham com ignorância pra cima dos meninos, que coisa extremamente cansativa. Eu já tinha achado o post da final bem agressivo, e dessa vez até o Piloto veio interferir. Gente, SUPEREM! Semana que vem tem temporada nova, Maytê e Paulo ganharam, e é isso. Eu hein.

    P.S.: Não sei se vai sair post sobre os melhores momentos da temporada, mas vou deixar registrado aqui que Xuxa com Lua de Cristal quebrou meu coração!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Awnn! Brigado, Amanda! O pessoal se envolve muito com os programas e participantes, aí ficam mais agressivos mesmo. Mas o bom é ver opiniões diferentes ou que concordem, tudo sem partir pra baixaria, claro!

      Não teremos post sobre os melhores momentos da temporada, mas ainda vai ter post essa semana e na véspera da estreia! Espero que vc continue aqui com a gente.

      Beijo ❤️

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s