Masterchef 8 #3

Por @samanthapistor

Masterchef apresenta um excelente episódio, mas abandona o menos é mais e isso pode ser um problema para o programa.

Eu gosto de poderes em realities competitivos. Adoro poderes. Mas gosto de poderes bem dados e bem utilizados.

Poderes demais é tão ruim quanto nenhum poder. Se a falta de poderes foi um problema na edição da revanche, o excesso pode ser um problema aqui.

O episódio inicia com a tradicional caixa misteriosa e uma nova modalidade de poder que é maravilhoso: o troll power da produção, que nada mais implica do que colocar todos os coleguinhas em uma situação desconfortável.

A história de ter que negociar metade dos produtos da caixa com o amiguinho foi uma sacada genial do programa e eu ri litros com Sílvio se achando dono da caixa e proprietário dos ingredientes.

Participantes discutem por ingrediente, Caixa Misteriosa retorna e mais  spoilers do episódio de hoje do MasterChef: assista ao vídeo | Band

Precisou Eduardo e Ana Paula Padrão para colocar o tiozão no lugar e sinceramente, queria que ele se ferrasse.

Eduardo é chato? É. Mas ainda assim ver o cara querer dar resto para o garoto foi de lascar.

As outras negociações soaram mais ou menos ok, mas ainda assim, esse twist foi tenso.

Não só porque limitou os ingredientes da galera, mas porque também todo mundo precisou ajustar seus planos iniciais com a perda de ingredientes chaves. Achei maravilhoso e não por menos, quem flopou, flopou bonito.

A outra novidade foi a caixa dourada, que parece promissora, mas nesse momento foi meio tanto faz.

Helena apenas teve o privilégio de cozinhar coma caixa inteira, mas aparentemente a caixa poderá ser uma desvantagem no futuro e acho isso bem mais interessante.

Só achei engraçado a tia que ganhou a prova de eliminação ter ganhado uma vantagem do estilo. Foi outro tapa na cara de quem cozinhou no primeiro programa, risos.

Masterchef volta às origens, mas mais malandro e de olho nas tretas

Esse é o tipo de poder interessante que eu gosto de ver no programa. Coisas que mudam o jogo mas não dão excesso de poder aos participantes.

Mas enfim, com alguns dramas todo mundo cozinhou e tivemos os destaques positivos e negativos do episódio. E acho interessante que vimos algumas figurinhas repetidas nesse momento.

  • Ana Paula, que achou que tinha ido mal, acabou indo bem. Ela fez um prato interessante e parece ser uma das almas promissoras da edição.
  • Cristina foi muito mal em todos os aspectos. Fez uma gororoba que inclui arroz em panela de pressão e achei o prato dela feio e sem graça. Ainda por cima, a senhora resolveu dar piti e querer desistir e eu garrei ranço. Por mim sai na semana que vem. Odeio gente que vem em reality de competição pra chorar.
  • Helena não Rizzo fez um prato bom e é uma das poucas participantes que teve uma vantagem e não jogou tudo fora. Tivesse evitado de colocar a caralha desnecessária no prato, muito provavelmente teria ganhado a prova.
  • Kelyn apresentou o prato vergonha absoluta do episódio. Além de ser feio e pobre, a comida parecia queimada e horrorosa. Vergonha total e não vi porque a galera do mezanino gosta dela.
  • Renato apresentou um prato com camarão excelente e bem pensado. Foi simples, mas teve técnicas e nossa, eu fiquei com vontade de comer. Renato é outra figurinha repetida nos elogios do programa, e parece ir longe.
  • Juliana N. é outra que errou feio e errou rude e me parece ser uma participante inconsistente. Deve rodar assim que o programa afunilar, porque olha, socorro. QUEM CONSEGUE COZINHAR CAMARÃO DE MENOS GENTE? QUEM?
  • Luiz Eduardo também se manteve como destaque positivo, e aparentemente é um dos poucos cozinheiros nesse programa que sabe fazer comida vegetariana.

Renato foi sagrado vencedor e, após subir ao mezanino junto com os amiguinhos que foram destaque positivo, é acionado mais um power no programa: Renato é quem deve decidir quem dos medianos sobe ao mezanino.

MasterChef Brasil على تويتر: "Participantes #MasterChefBR 2021! ✨  É a  segunda vez que Renato participa do MasterChef Brasil. De personalidade  forte, agora ele volta com força total! Estreia terça, 6, 22h30,

Sinceramente? Me manifestei antes que tenho zero problemas com o mezanino salvar uma ou duas pessoas, mas praticamente fazer a seleção dos medianos no lugar dos jurados?

Achei ruim.

Boa parte do programa deveria ser a culinária e, embora o fator jogo e Survivor do jogo seja legal até um ponto, dar tanto poder aos participantes é um erro.

Renato, aparentemente fez a linha quero vencer os melhores ao invés do quero 300 mil na conta, e salvou quem efetivamente merecia, com exceção do Atorzão.

Mas duvido que todo mundo seja burro a esse ponto. As chances de termos um vencedor flop pelo segundo ano aumentam significativamente e não entendo porque o programa escolheu esse caminho. P

arece que o programa confundiu a falta total de poderes com DEEM TODOS OS PODERES.

MasterChef': sem Paola, reality aposta na 'ousadia' para o sucesso | TV &  Novelas | iG

Esse é o tipo de poder que eu penso que não precisava existir. Menos é mais, Masterchef. Menos é mais.

Mas enfim, prossigamos.

Depois de subir uma gente aí, tivemos a minha prova favorita: prova de pressão. A galera teve que cozinhar uma massa em quinze minutos e acho interessante que nessa prova, efetivamente, ninguém se descabelou e todo mundo apresentou bem direitinho.

  • Fênix Ruiva apresentou uma boa massa no limite do sal;
  • Ana Karina apresentou uma massa no ponto, mas sem sabor;
  • Victor Hugo 2.0 cometeu o crime capital de apresentar uma massa sem queijo suficiente;
  • Juliana apresentou uma boa massa;
  • Eduardo apresentou uma massa que faltou um pouco de cozimento;
  • Pedro ao que tudo indica fez uma boa massa; digo ao que tudo indica porque perdi o ponto do review dele e não achei mais e fiquei com preguiça de procurar.

Fênix, Victor Hugo 2.0 e Pedro subiram ao mezanino e o resto foi para a prova de eliminação.

Imagem

A prova é de confeitaria de novo, e implica em fazer donuts.

O bônus aqui é que outro cantante chato apareceu e eu to com uma preguiça disso. Não vejo moral nenhuma nesses convidados que vem fazer sala e somem sem votar no prato.

Eles podiam escolher um para salvar, sei la. Seria mais legal que o mezanino salvando a porra toda.

Mas enfim, Duda Beats, que eu nunca ouvi falar, chegou toda colorida e falando nos donuts. E entre gente emocionada e cantando, todo mundo até que fez um trabalho passável.

Imagem

Mas enfim, Donuts apresentados nas caixinhas, Donuts provados e tivemos os seguintes comentários:

  • Juliana provando que sabe cozinhar, foi elogiada por ter o melhor recheio.
  • André apresentou os donuts mais bonitos, e tenho que concordar que de longe o trabalho dele parecia o mais profissional.
  • Edu Kids, provando que a geração Z vai dominar o mundo, apresentou um donuts/releitura de sobremesa e foi super elogiado por isso, ganhando a prova de longe pela criatividade.
  • Cristina fez o trabalho medíocre do grupo, mas foi elogiada para ter o ego inflado.
  • Kelyn fez um donut horroroso e com uma aparência horrível e uma boa massa, mas o recheio estava doce demais.
  • Juliana N apresentou donuts com excelentes recheios, mas errou total na massa.
  • Ana Karina apresentou um donut cheio de erros técnicos por conta do tempo de cozimento e por ter recheado o donut enquanto ele estava quente.

Provando que essa putaria do mezanino vai continuar até o fim da temporada (e por putaria digo a falta de explicações quanto ao critério da unanimidade), geral decide salvar Kelyn.

Imagem

Não entendo bem a razão, mas se eu for apostar, deve ser porque ela é advogada e sabe levar todo mundo no papo. Ou porque todo mundo quer consulta grátis no futuro.

Mas sinceramente, acho que é indiferente. Ana Karina era o nome da eliminação de vez, e não tendo ela sido salva, foi ela quem tomou a porta da rua nessa semana.

Eu estou gostando do Masterchef. Juro que estou.

Mas acho que pesaram a mão nos poderes nessa temporada e o programa tem boas chances de perder sua identidade.

Eu gostava mais dos poderes pontuais que o programa tinha, como trocar ingrediente de amiguinho e mandar amiguinho pra eliminação. Esses salvamentos excessivos do mezanino e tá com cara de que vai virar uma zona.

Meu principal problema é sem ver os chefs salvando os medianos, não temos a menor ideia de como estão se saindo os nãos destaques positivos ou negativos.

Pode ser interessante? Pode. Mas eu particularmente me sinto como se tivesse perdendo uma parte interessante do programa, que é ver a progressão da galera.

Enfim, Masterchef virou Survivor e os Arrastados pelo Mezanino prevalecerão. Acho uma pena, mas no momento, confesso que estou me divertindo.

5 comentários em “Masterchef 8 #3

  1. Também achei demais tantos poderes.
    Tô vendo pelo Youtube e a galera ta revoltada hahaha

    Acho que os nomes que vc citou como destaques da temporada vão permanecer os mesmos. Mas sempre tem um meia boca que se salva sempre e chega na final quase arrastado.

    Curtir

  2. Os donuts tinham que ser iguais. Os da Cristina um tava cheio de morango, outro com morango cortado e outro com um morangão entalado no meio. Fora que tava tudo sujo, escorrido, horroroso. E eles elogiarem e salvarem ela só por causa do piti na primeira prova? Eu já eliminava essa tosca na primeira oportunidade.

    Curtir

    1. O donuts dela era o mais nojento…
      Uma coordenadora pedagógica q em tese está acostumada a lidar com pais raivosos e ñ segurando a onda de uma crítica num programa a q se propôs ser criticada é de cair o cu da bunda…

      Curtir

  3. engraçado…eu estava fuçando o blog para ver se tinha o post e pluft…apareceu !
    eu não tinha assistido na terça por conta da final do nolimite, mas já percebi que esse Renato realmente manda bem…e a Cris quer fazer o Brasil realmente esquecer qq episódio kkkkk
    obrigada pela atualizada e terça volto a assistir para comentar ainda mais !!!

    Curtir

  4. Estou assistindo no yt pq ñ tenho mais paciência pra 2 horas de programa com tudo tão previsível e ontem assisti a final de Mestres do Sabor intercalado com os barracos da lavanderia do PC

    Ñ gosto desse formato do MasterChef e vou ser a chata q prefere o programa raíz. Quero ver o prato de todo mundo, inclusive dos medianos q sobem pro mezanino e a gente nem sabe oq cozinharam…

    Quero ver o povo levando o prato lá na frente e ñ os jurados indo nas bancadas

    Quero ver o povo se ferrando pra fazer massa fresca e ñ o espaguete pronto do patrocinador

    15 minutos de prova sendo q só pra ferver a água e cozinhar o macarrão demora quase isso, não sei qual mágica fizeram…

    Ñ gosto do mezanino salvando participante aleatório q cozinha mal

    Nunca vou aceitar participante q ñ sabe fazer o básico da confeitaria

    Amo Donuts mas ñ comeria nenhum daqueles e aqui vai um parenteses:
    Conheci Duda Beats há mais de 1 ano num feat com Tiago Iorc na música Tangerina no novo CD dele mas foi Juliette qm deu super visibilidade pra moça cantando incansavelmente a música dela no BBB e aí tanranrannnn ela foi parar no Masterchef🤦‍♀️

    Affe mta vergonha alheia, era notável o desconforto da guria pra no fim nem experimentar os donuts horrorosos q fizeram…então pra q foi? aliás pra q os famosos?

    Enfim na próxima semana a prova é em grupo com Edu kids (q ñ quis emprestar a farinha pro moço q esqueceu de pegar farinha pra fazer donuts q a base da receita era oq? farinha hahaha)sendo líder de um dos grupos…

    É esperar pra ver

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s